segunda-feira, 18 de junho de 2018

Dicionários online de alemão II - Leo

O melhor dicionário bilíngue que eu conheço é o Leo, disponível como aplicativo para Android e iOS. Ele tem muitas entradas tanto em alemão como em português, indica uso regional de uma palavra, como bergamota (no RS e SC), e Kiez (bairro, usado principalmente em Berlin). Além disso, é possível visualizar toda a tabela de conjugação de um verbo ou de declinação de um substantivo. Mas o melhor é que ele indica a regência verbal, dizendo se o verbo exige preposição ou não, se o objeto fica no acusativo ou dativo.

Numa postagem mais antiga eu escrevi também sobre estes outros dicionários (leia o post aqui):

Dicionários bilíngues:
Dicionários alemão-alemão:
  • Duden são bons para alunos avançados, que procuram por sinônimos, gramática, exemplos. O 
  • Wiktionary:Deutsch pode ser usado por principiantes e avançados, para checar o gênero e a declinação/conjugação das palavras e por que, além de trazer exemplos e sinônimos, mostra também a pronúncia e muitas vezes traz algum tipo de ilustração.

sábado, 5 de maio de 2018

Er, ihn, ihm usw.

Tenho percebido, ao longo dos anos, que é bastante comum confundir os pronomes de terceira pessoa e suas formas no nominativo, acusativo e dativo. Porém, se soubermos bem os artigos definidos, não teremos mais problemas com os pronomes pessoais. Vejamos o porquê:

Artigo definido masculino e terceira pessoa singular (ele):

Nominativo: der Mann       er
Acusativo:    den Mann      ihn
Dativo:          dem Mann      ihm

Repare que os sinais de caso (marcados nas cores azul, vermelho, verde e amarelo) são os mesmos que os dos pronomes.

Vejamos agora a declinação do artigo definido feminino singular e o pronome ela:

Nominativo: die Frau   sie
Acusativo:    die Frau   sie
Dativo:          der Frau   ihr


O artigo definido neutro e o pronome pessoal neutro singular apresentam as seguintes formas:

Nominativo: das Kind    es
Acusativo:    das Kind    es
Dativo:         dem Kind    ihm

Artigo definido e o pronome pessoal de terceira pessoa no plural também apresentam semelhanças:

Nominativo: die Kinder       sie
Acusativo:    die Kinder       sie
Dativo:         den Kindern     ihnen

Olhar para a forma das palavras pode nos ajudar muito a sistematizar nosso conhecimento da língua, e assim, nos poupar de confusões e dúvidas frequentes.

Para saber mais sobre o uso dos casos, leiam os outros posts relacionados.

quinta-feira, 26 de abril de 2018

Declinação dos artigos definidos

Nas postagens anteriores nós tratamos do uso dos três principais casos do alemão: o nominativo, o acusativo e o dativo. Neste post trataremos das formas que os artigos definidos (der, das, die e die) tomam ao serem declinados, ao expressarem caso.

Comecemos pelo artigo definido masculino singular (a marcação com as cores azul, vermelho, verde e amarelo indicam os sinais de caso):

Nominativo: der Mann
Acusativo: den Mann
Dativo: dem Mann

Exemplos:

  • Der Mann trinkt Wasser. O homem bebe água. (Nominativo, porque é sujeito)
  • Ich sehe den Mann. Eu vejo o homem. (Acusativo, porque é objeto)
  • Ich fahre mit dem Mann. Eu vou com o homem. (Dativo, porque mit exige o dativo)
Repare que o artigo masculino tem três formas diferentes em alemão, ao passo que em português apenas uma.

Vejamos agora a declinação do artigo definido feminino singular:

Nominativo: die Frau
Acusativo: die Frau
Dativo: der Frau

Exemplos:

  • Die Frau trinkt Wasser. A mulher bebe água. (Nominativo, porque é sujeito)
  • Ich sehe die Frau. Eu vejo a mulher. (Acusativo, porque é objeto)
  • Ich fahre mit der Frau. Eu vou com a mulher. (Dativo, porque mit exige o dativo)

O artigo definido neutro singular apresenta as seguintes formas:

Nominativo: das Kind
Acusativo: das Kind
Dativo: dem Kind

Exemplos:

  • Das Kind trinkt Wasser. A criança bebe água. (Nominativo, porque é sujeito)
  • Ich sehe das Kind. Eu vejo a criança. (Acusativo, porque é objeto)
  • Ich fahre mit dem Kind. Eu vou com a criança. (Dativo, porque mit exige o dativo)

Por fim veremos a declinação do artigo definido no plural, que é um só, independente do gênero.

Nominativo: die Kinder
Acusativo: die Kinder
Dativo: den Kindern

Exemplos:

  • Die Kinder trinken Wasser. As crianças bebem água. (Nominativo, porque é sujeito)
  • Ich sehe die Kinder. Eu vejo as crianças. (Acusativo, porque é objeto)
  • Ich fahre mit den Kindern. Eu vou com as crianças. (Dativo, porque mit exige o dativo)
Perceba que enquanto o artigo masculino tem três formas nos três casos apresentados, os demais artigos têm apenas duas, sendo o nominativo e o acusativo idênticos. Por isso é importante lembrar do acusativo somente quando o objeto for masculino singular.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Casos IV - Preposições

Nos últimos posts sobre o uso dos casos, tratamos de regência verbal. Era sempre o verbo que exigia um determinado caso, nominativo, acusativo ou dativo. Vimos também que a regência dependia ora apenas da relação entre sujeito (nominativo), verbo e objeto (acusativo), ora dos papéis temáticos (tema - acusativo, beneficiário - dativo) e também de que às vezes a gente tem mesmo é que decorar, por que não há uma explicação para o uso de um determinado caso (caso lexical).
Hoje trataremos das preposições e seus casos. Muitas delas exigem sempre o mesmo caso:

Preposições com o acusativo:
  • für (para)
  • ohne (sem)
  • um (para expressar as horas/ às vezes pode ser tratuzida por "por")
  • durch (através)
  • gegen (contra)
Preposições com o dativo:
  • mit (com)
  • nach (depois/ para)
  • seit (desde)
  • zu (para)
  • bei (em/ junto a)
  • von (de)
  • aus (de)
Há um outro grupo de preposições que podem reger o acusativo ou dativo, dependendo o papel temático: se quisermos expressar direção ou meta (WOHIN- para onde - dinâmico) usamos estas preposições com o o acusativo; se formos expressar localização (WO - onde - estático) ou tempo (WANN - quando) usamos estas preposições com o dativo. São elas:
  • in (dentro/ em)
  • auf (em cima)
  • an (colado a)
  • über ( acima)
  • unter (abaixo)
  • zwischen (entre)
  • neben (ao lado)
  • hinter (atrás)
  • vor (na frente/ antes)

Exemplos:

Ich lege das Buch auf den Tisch. (Preposição auf + acusativo, por que há uma direção ou meta)
Eu ponho o livro em cima da mesa

Das Buch liegt auf dem Tisch.  (Preposição auf + dativo, por que trata-se aqui de expressar a localização do livro)
O livro está em cima da mesa.


Note que nos exemplos acima, "em cima da mesa", em português, fica exatamente igual nos dois casos. Já que não há mais diferença, no português contemporâneo, entre onde e aonde, não estamos mais acostumados a distinguir entre meta/direção e localização. Pos isso temos nos acostumar em pensar em wo e wohin sempre que usarmos estas últimas preposições.



terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Casos III - Caso Lexical

Na primeira postagem desta série sobre casos nós falamos sobre Caso Estrutural, quando o caso é determinado pela função gramatical: o sujeito fica no nominativo e o objeto no acusativo.

Na segunda postagem falamos sobre Caso Semântico, quando um papel temático, como o de destinatário/beneficiário, determina o uso do dativo.

Há ainda uma terceira categoria, a do Caso Lexical, quando o caso é atribuído pelo léxico, pelas palavras, verbos, preposições, adjetivos ou substantivos, sem uma explicação ou motivo aparente. É quando a gente tem mesmo é que decorar a regência de cada palavra individualmente. Por exemplo, os verbos folgen (seguir) e verfolgen (perseguir) pedem respectivamente o dativo e o acusativo, embora ambos tenham os mesmos argumentos e papéis temáticos: sujeito - agente, objeto - tema.

E porque é importante saber disso? Muito simples, economia. Partimos do princípio que todos os objetos ficam no acusativo (caso estrutural). Quando encontrarmos algum verbo que rege o dativo, analisamos para ver se não expressa o papel do beneficiário ou destinatário (caso semântico). Se ainda assim não tivermos achado uma 'lógica' na regência é por que estamos lidando com caso lexical e daí temos que decorar mesmo.

domingo, 7 de janeiro de 2018

Casos II - Acusativo e Dativo

Na última postagem nós falamos que muitos verbos exigem que o objeto fique no acusativo, mas há também verbos que exigem o dativo. Há inclusive pouquíssimos verbos que exigem o genitivo! - E como que eu vou saber qual caso usar? Como dissemos, a maioria dos verbos pede o acusativo, então, na dúvida é melhor usar o acusativo. Mas quando o objeto do verbo é aquilo ou alguém que recebe ou se beneficia com algo, esse objeto fica no dativo. O dativo do alemão está ligado ao que chamamos na linguística de papael temático de beneficiário. Vejamos um exemplo:

Ich gebe meiner Mutter einen Roman. Eu dou um romance para minha mãe.


"Ich" é o sujeito, que fica sempre no nominativo e concorda com a desinência verbal, neste caso -e. O verbo GEBEN precisa de dois objetos diretos (sem preposição!): aquilo que é dado (tema) e o beneficiário. O tema, aquilo que é dado, fica no acusativo (einen Roman), e quem o recebe, no dativo (meiner Mutter).

Há gente que diz que o acusativo corresponde ao nosso objeto direto e o dativo ao nosso objeto indireto. Isso não é 100% verdade. Objeto direto é um objeto que não vem precedido por uma preposição. No exemplo acima tanto "einen Roman" quanto "meiner Mutter" não estão precedidos por preposição e portanto são exemplos de objeto direto, no acusativo e dativo, respectivamente. O que acontece é que muitas vezes usamos em português as preposições "a" ou "para" quando queremos indicar o "beneficiário" de uma ação, como no exemplo: eu dou um romance para minha mãe. O dativo não corresponde necessariamente ao nosso objeto indireto com "para". Somos levados a pensar assim por que no português usamos "para" para indicar o beneficiário e em alemão o dativo.

Há exemplos onde isso não acontece:

Ich rufe meinen Vater an. Eu ligo para meu pai.

Embora usemos a preposição "para" em português, o verbo separável AN|RUFEN rege o acusativo, como a maioria dos verbos do alemão!

Outros verbos com beneficiário são:
KAUFEN (comprar), SCHENKEN (presentear), SCHREIBEN (escrever), SCHICKEN (enviar), SENDEN (enviar), HELFEN (ajudar).

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

Casos I - Nominativo e Acusativo (Graciela gewidmet)

É bem sabido que o alemão apresenta certas dificuldades ao aprendente, especialmente por possuir caso morfológico. ????? Pois é, isso quer dizer que as palavras, como artigos, pronomes, adjetivos e, às vezes mesmo os substantivos mudam de forma conforme a sua função na oração.  Para começar a entender isso vamos dar uma olhada no que a "teoria da regência e ligação" chama de "caso estrutural".

O sujeito da oração fica sempre no nominativo e tem que concordar com a desinência do verbo conjugado. Ex:

Ich schreibe einen Brief.

Du schreibst einen Brief.

A primeira pessoa do singular tem a terminação -e, que manda o sujeito ficar no nominativo (ich, e não mich etc...).

Der Mann schreibt einen Brief.

Aqui o sujeito é " der Mann", o homem, terceira pessoa singular, com desinência -t, no nominativo.

A desinência manda no sujeito, mas o verbo em si manda no objeto, que na maioria das vezes fica no acusativo (den, einen, meinen).
Ex:

Der Brief ist lang. (A terminação do verbo manda o sujeito ficar no Nominativo [der]).

Der Mann schreibt den Brief. (A terminação do verbo manda o sujeito ficar no Nominativo [der], o verbo "schreiben" exige o caso acusativo para o objeto [den]).

Todo verbo exige o acusativo? NÃO! A maioria sim, mas alguns exigem outros casos. Por hoje basta decorar que o verbo SEIN exige só nominativo. Ex:
Der Mann ist ein guter Autofahrer. (Aqui temos sujeito e "objeto" no nominativo, por que SEIN exige sempre nominativo.)

No próximo post seguimos com outros casos.